Cuidados paliativos



Cuidar da morte pode ser um paradoxo para os médicos – mas oferecer conforto mesmo quando não há mais cura é uma importante especialidade da medicina, os chamados cuidados paliativos. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), esses cuidados envolvem a assistência de uma equipe multidisciplinar, promovendo alívio do sofrimento. Vai além do simples “velar a morte” do paciente: envolve, sim, cuidar de quem tem pouco tempo de vida, bem como da família do paciente.

“Nada” a ser feito

Mesmo quando as doenças não têm possibilidade de cura, há o que ser feito: cuidar daquele paciente, física e emocionalmente, para que o tempo restante tenha qualidade. As equipes responsáveis pelos cuidados paliativos são compostas, geralmente, por um médico, um enfermeiro, um psicólogo, um assistente social e um profissional da área da reabilitação (de acordo com as necessidades do paciente).

Entre as atuações possíveis, estão o controle dos sintomas físicos, intervenções psicoterapêuticas e apoio emocional ao paciente com diagnóstico de óbito. Os familiares também recebem atenção especial: há o apoio social e emocional, que vão desde o diagnóstico até o período do luto.

Sempre é possível cuidar, mesmo quando não há mais chances de curar.

Tags: , , , ,

Comentários fechados.